terça-feira, 17 de novembro de 2009

Decreto

Ao sindicato da dor
declaro, dormente,
eterno feriado;
trago, prudente, doutor,
dou terra e telhado...

e decreto adeus.

Ao sindicato da saudade
dedico o detalhe do dia;
o que um dia      distante,
depois,
traz nós dois em dueto,
do lado,
de tantos sonetos
ditados...

e desligo o adeus.

Ao sindicato da vontade
entrego o destino;
destaco o p-a-s-s-a-d-o
e deito, 'detido',
de dias contados
vendo a tarde anoitar...

e adiaaaar meu adeus.


________________________



P.S.: relevem o uso desses "efeitos". Fiquei entre publicar o poema (exercício) "normal" ou assim, ressignificado. Reforço minha interpretação de mim mesmo, e lhes aponto o que se passa comigo enquanto escrevo. Por outro lado, limito (ao expandir) e direciono sua leitura. Tudo bem?

2 comentários:

Michelli disse...

Nubita,
Acho que essa opção por "direcionar" a leitura não a limita, pelo contrário, acho que nos permite tentar uma interpretação mais próxima da pretensão que o autor tem com as palavras que escolheu para escrever o poema.
A leitura é sempre uma interpretação que nos permitimos ter do outro, e acredito que quanto mais recursos nos for oferecido para nos aproximar mais das intensões do outro, melhor! É melhor para tentar nos distanciarmos de nossas interpretações.
Gostei das intervenções, e gostei muito do poema!
Beijão!
Mi

anurus disse...

Virou neoconcretista, é?